Da cidade grande para o meio dos vinhedos – parte 1

Sempre fui uma pessoa urbana. Urbana assim, a poucas quadras da avenida Paulista. Urbana daquelas que gostam de andar em dias de sol e céu azul nessa imensa avenida coalhada de gente a olhar os reflexos em prédios de vidro. Urbana daquelas que amam arquitetura e o vão livre do MASP. Urbana daquelas que nasceram e viveram em cidade grande praticamente a vida toda.

Vida de cidade grande é muito boa. Para quem tem o mínimo de condições de aproveitá-la, claro. Coisa que eu não sabia até virar gringa no país dos outros. Então, na minha vida paulistana o prazer era descobrir novos restaurantes descolados e com boa comida mesmo em bairros distantes. Ou convidar e ser convidada para a casa dos amigos. Ou as visitas às galerias de arte sempre maravilhosas.

A noite paulistana tem qualquer coisa de insuperável. Todas as tribos de todos os gêneros se cruzam sem necessariamente se encontrar. Mas é sempre possível encontrar um lugar e uma tribo com quem se divertir, dançar, escutar boa música, rir… A noite paulista é interminável, pode durar um fim de semana inteiro e acabar com a sua segunda-feira, te nocauteando por muitos dias em que o trabalho se arrasta e você só pensa com saudades na sua cama quentinha. A noite paulistana pode ser rude, violenta, suja como o dia, como a cidade. Mas pode revelar também seus mil encantos secretos aos quais apenas os iniciados conseguem aceder. Ah, a noite paulistana daquela minha vida de antigamente…

Mas então veio Paris. E Paris é… bom… Paris é Paris. Cheia de clichês e de lugares comuns. Mas de uma beleza estonteante. Estou convencida que Paris é como aquelas pessoas extremamente belas, ela ofusca todos os seus defeitos e crueldades através daquela luz amarelo-alaranjada que ilumina suas ruas e prédios a cada noite. Uma luz difusa que envolve de mistérios e de promessas de descobertas essa cidade espetacular. Existe sempre uma Paris a se oferecer para cada par de olhos encantados como se fosse exclusiva, a Paris de cada um jurando fidelidade eterna em troca do amor eterno que cada qual lhe dedica, para sempre cativo.

Para além do deleite de viver em uma cidade bonita, Paris te ensina a viver em um mundo onde é possível ser mais livre, ter menos medo. Parece paradoxal falar em liberdade e ausência de medo em um lugar que foi alvo de uns tantos atentados terroristas recentemente. Mas ainda assim é essa sensação que se pode sentir por aquelas ruas.

Minha experiência definitiva em Paris ocorreu bem cedo, voltando de uma balada. As amigas com quem fui não queriam partir e me sugeriram que eu voltasse para casa sozinha. A pé. As quatro horas da manhã. Achei que elas estavam de brincadeira e perguntei onde poderia pegar um táxi. Minha casa não era muito longe dali e elas é que acharam que eu estava de brincadeira. “Vai a pé”. “Sozinha? A essa hora? Não é perigoso?”. Diante da risada francesa delas achei melhor ceder. E numa noite de outono qualquer do ano de 2011 essa que vos escreve descobriu que existem um mundo em que uma mulher pode andar pelas ruas de madrugada sozinha até sua casa. Sem que nada lhe aconteça. Cruzando outras mulheres no caminho que fazem o mesmo. Sem que nada lhes aconteça. Sim, existe violência em Paris e existe violência contra as mulheres em Paris. Mas você pode andar pela rua de madrugada sozinha sem que ninguém te ameace de nenhuma forma. E isso para uma paulistana convicta é um argumento decisivo.

Continua aqui

IMG_20180130_083133_434

 

3 comentários em “Da cidade grande para o meio dos vinhedos – parte 1

  1. Sempre amei cidade grande… mas ter filho pequeno têm me feito questionar esse tempo longe dela, esse tempo besta perdido no hospital que trabalho, tanta coisa… que tenho pensado cada vez mais em tornar possível uma vida mais… vida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s